Categoria: Impotência

O campo do conhecimento sobre sexualidade e os medicamentos

Os dados apresentados até agora sugerem uma diferença significativa entre a abordagem da sexualidade masculina no contexto de campanhas contra a disseminação da sífilis e a recente política de medicina sexual. Em vez de descrever aqui uma jornada histórica contínua, pretendemos revelar pontos de ruptura, do ponto de vista analítico. Assim, precisamos usar alguns dos autores mais importantes nessa área para destacar as transformações destacadas neste artigo.

Muitos pesquisadores mostraram como a sexualidade, especialmente no contexto da modernidade, pode fornecer informações importantes sobre os indivíduos. Especificamente a partir do XIX ° século, é possível ver emergir um crescente interesse em sexo que resulta no desenvolvimento de um conjunto de novos conhecimentos, como ginecologia, psicanálise e sexologia. Todos estão intimamente ligados à produção de novas subjetividades ao mesmo tempo em que refletem as mudanças observadas.

M. Foucault (1988) associa esse processo a uma nova abordagem e ao tratamento disciplinar do corpo. Além disso, ele identifica na história do Ocidente uma passagem fundamental associada à invenção de uma sexualidade de culpa, num momento único de “repressão” e “libertação”. O indivíduo é percebido como capaz de detectar sua verdade a partir do que é dito ou não dito, repreendido em relação ao sexo. Essa abordagem nos leva a considerar como a sexualidade constituiu um nó de representações fundamentais em torno das quais os conflitos relacionados aos contextos social, político e econômico foram articulados desde meados do século XIX. século, quando a medicina adquire um lugar importante.

Conheça nosso site sobre impotência preferido.

Nesta perspectiva, J. Weeks (1985) analisa o surgimento da sexologia que, originalmente, está imersa na produção de ginecologistas e outros especialistas. Ao tratar particularmente a sexologia, sua constituição como ciência e seu uso para definir novas identidades culturais, este autor argumenta também no sentido de uma permeabilidade dos discursos e, além disso, dos efeitos inesperados que as propostas os cientistas podem ter. Weeks assume que a sexualidade é uma invenção social localizada, um produto de movimentos históricos que expressam as forças sociais em jogo em cada contexto.

A sexologia surge como um domínio de conhecimento específico dedicado ao controle dos indivíduos, tentando definir o que pode ser considerado normal, em termos de relação com o sexo oposto. Para Semanas (1985)A sexualidade é um campo de batalha, a construção do discurso social e a invenção da sexologia acaba por ter várias consequências. É também a fonte do discurso liberal e cria identidades sociais baseadas nas “descobertas” dos médicos, como no caso dos movimentos feministas e homossexuais. No entanto, é importante enfatizar o papel da sexologia em reafirmar as diferenças entre homens e mulheres, a atração natural pelo sexo oposto e a própria criação do conceito de homossexualidade – sempre ligado a um signo biológico. Estas “descobertas científicas” também aparecem em Weeks (1985)como resultado de demandas sociais, um panorama de mudanças que exigem novos códigos para gerenciar as relações entre homens e mulheres e definir o que é aceitável na sociedade que é constituída. Para este autor, sexólogos são capazes de traduzir termos teóricos o que é sentida como uma concretos problemas sociais, tais como a existência da sexualidade de crianças e adolescentes e a relação entre a maternidade e sexualidade feminina. Na realidade, uma maior preocupação com as alterações observadas na proporção macho-fêmea seria no centro de especulação produzido em bisexualidad, transvestism, intersexuality e o instinto de reprodução.

Weeks aponta que esta descoberta revela uma dificuldade em definir as fronteiras entre sexólogos e reformadores sexuais, eugenistas e moralistas. Ao mesmo tempo em que trazem respostas à demanda por novos limites nas relações entre homens e mulheres e o que é normal em termos de sexualidade, acabam proporcionando novas bases científicas para os conflitos sociais. As diferenças agora têm bases biológicas, as práticas desviantes são classificadas, as feministas usam os argumentos científicos, os homossexuais adquirem uma identidade que nunca lhes fora reconhecida em outro contexto.

A complexidade do campo de conhecimento e intervenções em torno do sexo também tem sido o foco do clássico trabalho de A. Béjin . Uma de suas contribuições é a hipótese de que existem duas sexologias. O primeiro foi produzido na segunda metade do XIX ° século, quando obras de referência aparecem como sexualis psychopatiaEditado por Heirich Kann em 1844 e um volume publicado sob o mesmo título de Kraft-Ebing em 1886. Este “protosexologie” foi nosografia, em contraste com a terapia, e favorecida doenças venéreas, psicopatias e sexualidade eugenia. A segunda teria surgido a partir da década de 1920 e um importante ponto de referência seria o trabalho de W. Reich, que iniciou suas publicações sobre a função do orgasmo. A publicação do primeiro estudo de A. Kinsey em 1948 ajudaria a tornar o orgasmo um tema central dessa nova sexologia

Disfunção Erétil

Disfunção Erétil

O que é
A disfunção erétil (DE), também chamada de impotência sexual, é a dificuldade de manter a ereção peniana, em pelo menos 50% das tentativas, por tempo suficiente para permitir a penetração vaginal e a satisfação sexual. Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), cerca de 50% dos homens brasileiros acima de 40 anos têm alguma queixa em relação às ereções.

Um dos estudos mais respeitados sobre o tema, o Massachusetts Male Aging Study, realizado com 1.290 homens entre 40 e 70 anos idade nos Estados Unidos, demonstrou que 52% deles apresentavam certo grau de disfunção e que 10% tinham total ausência de ereção.

Leia também: Aumento peniano funciona

A DE ocorre devido a um desequilíbrio entre a contração e o relaxamento da musculatura lisa do corpo cavernoso. A ereção é o resultado de um trabalho conjunto do sistema nervoso vascular e hormonal. As células das artérias penianas recebem a mensagem para relaxar o tecido muscular, propiciando aumento no fluxo sanguíneo e, assim, inchando o órgão.

As causas da DE variam e podem ser relacionadas a motivos psicológicos, orgânicos ou ambos os casos.

Sintomas
Muitos acreditam que a disfunção sexual só acontece em homens que estão na terceira idade (acima de 60 anos). Mas alguns jovens também podem desenvolver o problema. Fique atento aos sinais e procure um médico se detectar algum deles:

Redução do tamanho e da rigidez peniana
Incapacidade de obter e manter a ereção
Redução dos pelos corporais
Atrofia ou ausência testicular
Pênis deformado
Doença vascular periférica (causa o estreitamento e endurecimento das artérias que transportam o sangue para os membros inferiores do corpo)
Neuropatia (distúrbio das funções do sistema nervoso)
Fatores de risco
A disfunção erétil (DE) pode aparecer em qualquer idade, mas alguns fatores contribuem para o seu surgimento. Veja quais são eles e busque ajuda profissional para voltar a ter uma vida sexual ativa e saudável:

Álcool: quantidades exageradas de álcool ou consumo a longo prazo estão ligadas a problemas de ereção. A desidratação causada no organismo prejudica a circulação na região íntima.
Distúrbios psicológicos: o problema pode começar num dia qualquer em que, por causa da ansiedade, o homem não conseguiu ter a ereção. Se não controlar o medo de sofrer impotência nas próximas oportunidades, a cobrança se torna cada vez maior, o que atrapalha ainda mais o desempenho sexual.
Doenças hormonais: o diabetes pode estar associado à DE porque altera o fluxo de sangue e não há fluxo suficiente para o tecido erétil. Além disso, a queda de testosterona pode impedir uma relação sexual satisfatória.
Doenças neurológicas: lesões na medula, Alzheimer e Parkinson podem impedir que homem tenha ereções.
Doenças vasculares: causam entupimento nas artérias e veias, o que pode prejudicar a chegada de sangue ao pênis.
Medicamentos: o uso de remédios para controlar a pressão alta (hipertensão) pode afetar a ereção como efeito colateral.
Tabagismo: fumar afeta o sistema vascular do corpo e os músculos das paredes das veias e das artérias, alterando a qualidade da circulação sanguínea do corpo. O uso do tabaco aumenta a formação de placas nas artérias, o que dificulta a ereção.
Prevenção
A prevenção da disfunção erétil pode ser de duas formas:

Causa psíquica: a educação dos meninos pela família e escola deve garantir a autoconfiança e autoestima, combatendo mitos, tabus, preconceitos ou ideias errôneas a respeito da sexualidade.
Causa física: bons hábitos devem ser mantidos, como praticar atividade física com regularidade, dormir bem, ter uma alimentação balanceada, evitar bebidas alcoólicas e cigarro e controlar diabetes. Além disso, é importante evitar traumas na região para não comprometer as ereções.
Tratamento
O tratamento da disfunção erétil varia de acordo com a causa e o estilo de vida do paciente. Após o diagnóstico e a análise clínica, há vários recursos terapêuticos que podem ser utilizados, como:

Injeções intra-cavernosas: agem cerca de 15 minutos após a aplicação e não é necessário qualquer estímulo para que o homem tenha a ereção. A substância injetada estimula a circulação e promove a dilatação das artérias no local, o que aumenta o fluxo sanguíneo no pênis levando à ereção. A duração varia conforme a quantidade injetada.

Medicamentos orais: geralmente, são a primeira opção terapêutica, desde que o paciente não apresente lesões nas artérias do pênis. Essas substâncias melhoram o fluxo sanguíneo para o órgão, o que favorece a ereção. Elas devem ser ingeridas com estômago não muito cheio, por volta de uma a duas horas antes da relação sexual, e variam quanto ao tempo de ação e potência máxima.

Prótese peniana: é um tratamento mais complexo, pois se trata de uma cirurgia. O médico introduz uma haste metálica envolvida em silicone no pênis do paciente, o que faz com que ele fique ereto o suficiente para a penetração. A intervenção dura cerca uma hora e a vida sexual pode voltar ao normal após um mês.

Terapia: se houver algum bloqueio psicológico, um terapeuta com formação em sexologia poderá ser indicado. Conversar com um especialista pode ser útil para mudar a forma de se relacionar com a parceira e as cobranças.

Diagnóstico
Para ter o tratamento correto da disfunção erétil, o diagnóstico precoce é fundamental. Ao consultar um urologista, ele poderá solicitar um teste de intumescência peniana noturna que deverá ser realizado com ajuda de equipamentos específicos. O aparelho mede a ereção do homem enquanto ele dorme.

O equipamento possui dois anéis conectados a eletrodos, colocados em volta do pênis, que analisam a qualidade das ereções noturnas. Se as ereções espontâneas forem satisfatórias, significa que o sangue chega ao pênis.

Além disso, o ecodoppler peniano pode ser utilizado para medir o fluxo arterial e identificar eventuais obstruções arteriais penianas. Há também as injeções intra cavernosas (dentro do corpo cavernoso do pênis) que aumentam o fluxo sanguíneo das artérias, diminuem o calibre das veias e relaxam a musculatura local, produzindo a ereção.

A maioria dos exames têm como intuito identificar se o problema é orgânico ou psicológico.

Perguntas frequentes
Não consigo manter minha ereção após a primeira ejaculação. O que pode ser isso?

O tempo necessário para uma nova ereção varia de pessoa para pessoa e não existe valor definido como normal. Ocorrendo a relação sexual completa, com ereção e ejaculação, a probabilidade de comprometimento físico é mínima.

Após algum tempo de manter relações sexuais, chego ao orgasmo muito rápido. Como faço para prolongar a minha ereção?

Naturalmente a ejaculação é um processo rápido. A fim de prolongar a relação sexual, os seres humanos aprenderam a controlar o reflexo ejaculatório. No entanto, a habilidade para controlar esse processo pode ser afetada por inúmeras influências. Só é possível avaliar se há algum problema com exames.

Após cirurgia de retirada de próstata o homem se torna impotente?

A maioria das cirurgias da próstata não causa impotência. No caso de pacientes operados para tratamento de doenças benignas, a probabilidade de impotência é praticamente nula. No caso de pacientes operados por câncer de próstata, o risco de impotência varia de 30 a 100%, dependendo do caso (estágio da doença, tamanho do tumor, estado da função sexual antes da operação, idade). Todavia, em qualquer caso que o paciente tenha ereções, a sensação de orgasmo permanece praticamente a mesma. Somente a ejaculação está ausente (nos casos de câncer) ou é retrógrada (nos casos de doença benigna).

Estou ejaculando muito rápido. O que pode ser isso?

Um homem pode apresentar diferentes tipos de problemas ejaculatórios que repercutem no relacionamento com sua parceira. O que os estudos dizem é que a maioria dos distúrbios tem origem psicológica e deve ser abordada conjuntamente pelo homem, sua parceira e, se for necessário, com o auxílio de médicos e psicólogos.

Qual especialista devo procurar se apresentar DE?

A disfunção erétil pode ser a consequência sintomática de outras doenças, como a diabetes mellitus e problemas cardiovasculares. Se as terapias aplicadas pela primeira linha de atendimento com o médico generalista (clínico-geral) não apresentarem melhora clínica, um urologista deve ser procurado.
Leia também: Aumento peniano funciona

Alimentos que se dizem afrodisíacos funcionam mesmo?

Não há provas científicas de que alimentos como amendoim, anis, pimenta, figo e gengibre, entre outros, estimulem a ereção. O que acontece é que alguns alimentos dão a sensação de bem-estar ao homem e isso estimula os desejos sexuais.

Qual o papel da parceira no tratamento de DE?

A parceira pode ajudar criando uma atmosfera descontraída, sem pressão. Também é recomendável que ela participe das sessões de terapia e estar bem informada dos tratamentos clínicos e terapêuticos.

Como ocorre a ereção peniana e como ela se mantém?

A ereção peniana ocorre pela integração dos sistemas nervoso central e periférico, do sistema vascular e da integridade dos tecidos que compõem o órgão, como também modulação hormonal, principalmente da testosterona. O fluxo arterial nutre os tecidos e com a liberação de substância que fazem a contração das fibras musculares. Durante a ereção, o mecanismo veno-oclusivo mantém a circulação e a pressão do sangue constante.

COMO AUMENTAR O PÊNIS NATURALMENTE → EXERCÍCIOS FUNCIONA

COMO AUMENTAR O PÊNIS NATURALMENTE → EXERCÍCIOS FUNCIONA

Uma das primeiras coisas que são notadas no pênis masculino é que ele é feito principalmente de músculos e vasos sanguíneos e vamos saber como aumentar o pênis. O termo pênis mais grosso é usado para descrever um falo mais muscular em comparação com um membro mais rígido durante a relação sexual .

Historicamente, a masculinidade de um indivíduo muitas vezes dependia da própria aparência do pênis masculino e todos os esforços foram feitos para tentar influenciar a forma e o tamanho desse pequeno grupo muscular.

Deve-se dizer que algumas comunidades ou culturas enfatizam mais a aparência do pênis e de alguns grupos; Realmente não importa, desde que consiga gerar filhos.

Se, de fato, o resto do corpo de um homem pode ser mudado na aparência usando exercícios de forma eficaz, então por que não o tamanho do falo masculino também? É essa forte premissa que permite que grupos de pessoas experimentem técnicas para aumentar a espessura e, de fato, o comprimento do órgão sexual masculino .

ESTRUTURA DO PÊNIS
Seria muito evidente que o pênis masculino não é apenas um único músculo sozinho, mas é amplamente formado por três grupos musculares cilíndricos descubra como obter uma ereção espontânea

Existem vasos sanguíneos que fornecem sangue ao falo e é quando o sangue é bombeado com força para que uma pessoa tenha uma ereção. O ponto forte de um pênis masculino bem construído e musculoso é que ele o torna mais apresentável e, muitas vezes, é capaz de satisfazer o parceiro durante a relação sexual.

Assim, não seria surpreendente que as pessoas estivessem prestando muita atenção a formas de aumentar a espessura e o comprimento do falo. A maioria das grandes civilizações antigas tinha seus próprios métodos para tentar melhorar a aparência do membro masculino.

Com o passar do tempo, a maioria dessas técnicas e artesanatos desapareceu. Mas alguns métodos proeminentes foram realizados e foi assim que surgiu o uso dos exercícios de como aumentar o pênis. Isto é, portanto, em sua maior parte, uma mão ativa das técnicas que prevalecem desde tempos imemoriais.

As pessoas que gostariam de ter um pênis mais grosso seriam aconselhadas a seguir as rotinas de jelqing de modo a melhorar o tamanho e a forma do falo. Para alguns homens, isso não pode ser motivo de riso; pois às vezes o pênis pode ser tão pequeno que seria difícil encontrar a satisfação e realmente proporcionar a satisfação durante a relação sexual.

EXERCÍCIOS DE COMO AUMENTAR O PÊNIS FUNCIONA
Por todo o reino animal, vê-se que os grupos musculares crescem com exercícios constantes e se uma determinada parte do corpo é deixada sem uso por algum tempo, então seria desperdiçada também. É este conceito muito básico para aumentar o tamanho do músculo para melhorar o tamanho do pênis que está sendo praticado com as rotinas típicas de como aumentar o pênis.

Uma das partes mais reveladoras do uso de rotinas de como aumentar o pênis é a necessidade de manter a forma de exercício por algum tempo. A maioria dos resultados relatados é obtida após a devida passagem do tempo e seria errado esperar resultados instantâneos na maioria das vezes.

Assim, aqueles desejosos de ter um pênis mais grosso devem estar dispostos a manter a rotina de exercícios por algum tempo e não ficarem desanimados com a falta de progresso no início do exercício.

Mas deve-se dizer das rotinas de como aumentar o pênis que os resultados podem ser lentos na aparência, mas muitas vezes são permanentes. Enquanto outros músculos podem perder a sensação firme ou mesmo perder a espessura por desuso, o falo retém a forma e o tamanho por algum tempo, mesmo depois que o exercício é interrompido.

COMO AUMENTAR O PÊNIS NATURALMENTE
Muitas pessoas vêem o jelqing como masturbação. Isso não está correto, pois o foco do exercício de jelqing é trabalhar os músculos do pênis masculino; o ato de masturbação é voltado para o prazer sensual. É muito comum as pessoas começarem com o jelqing e depois perderem o foco e, com isso, o objetivo de toda a rotina de exercícios.

Leia também: Como aumentar o pênis

Movimento Constante: A chave para um bom exercício de como aumentar o pênis é manter um movimento constante e uniforme do braço. Cuidados devem ser tomados para evitar empurrões súbitos para o falo e um aperto firme garante que os impulsos dos braços sejam transmitidos para o membro.

É possível encontrar uma série de variantes para o simples movimento repetitivo, mas deve-se dizer aqui que a forma é mais uma prática pessoal e não algo que é ironclad na performance.

Óleos de massagem: a maioria dos massagistas usa óleo enquanto trabalha para grupos musculares. Há uma série de óleos de massagem populares e cada um insiste em fornecer ao usuário um conjunto de benefícios. Um dos benefícios mais reveladores do uso de óleo de massagem é o calor suave que o óleo fornece à área onde é aplicado durante uma massagem.

Isso aumenta o fluxo sanguíneo para a parte do corpo e ajuda nas melhores condições de saúde. Existem óleos específicos que podem ser usados ​​enquanto jelqing e é importante notar que a área sob consideração tende a ser bastante sensível ao toque e este fator deve ser mantido no topo da mente, se de fato a pessoa quer usar o óleo massagem.

Disfunção erétil: sintomas, tratamentos e causas

Disfunção erétil: sintomas, tratamentos e causas

O que é Disfunção erétil?
Disfunção erétil ou impotência sexual é a incapacidade permanente de obter ou de manter uma ereção rígida o suficiente para uma relação sexual satisfatória.

Disfunção erétil: entenda o problema

Disfunção erétil ou impotência sexual é a incapacidade permanente de obter ou de manter uma ereção rígida o suficiente para uma relação sexual satisfatória.

Disfunção erétil: entenda o problema

Disfunção erétil ou impotência sexual é a incapacidade permanente de obter ou de manter uma ereção rígida o suficiente para uma relação sexual satisfatória.

Disfunção erétil: entenda o problema

Disfunção erétil ou impotência sexual é a incapacidade permanente de obter ou de manter uma ereção rígida o suficiente para uma relação sexual satisfatória.

Disfunção erétil: entenda o problema

Causas
Como para a obtenção de uma ereção vários órgãos e tecidos precisam funcionar em harmonia, existem muitas situações que afetam um ou mais desses participantes e podem cursar com disfunção erétil. Nem sempre os médicos conseguem definir exatamente qual o percentual de participação de cada estrutura envolvida. A impotência sexual está relacionada a diversas doenças e tratar a disfunção envolve obrigatoriamente a descoberta de sua causa.

São causas da disfunção erétil:
Distúrbios psicológicos
Doenças hormonais (diabetes, queda de testosterona, problemas endócrinos)
Doenças neurológicas (lesões na medula, mal de Alzheimer e Parkinson)
Doenças vasculares, que causam entupimento das artérias e veias, prejudicando a chegada do sangue ao pênis (hipertensão arterial, aterosclerose)
Consumo excessivo de medicamentos
Cirurgias pélvicas
Doença de Peyronie ou fibrose dos corpos cavernosos
Alcoolismo e tabagismo.
Fatores de risco
Todos os conhecidos fatores de risco para doenças cardiovasculares como infarto e derrame também são considerados fatores de risco para disfunção erétil. São eles:

Diabetes
Hipertensão arterial
Dislipidemia (colesterol e triglicérides alterados)
Tabagismo
Obesidade
Sedentarismo.
Isso ocorre por conta da necessidade de um enorme aumento do fluxo de sangue para que o pênis fique ereto. Quando a circulação para o órgão está comprometida por um desses fatores, a disfunção erétil pode surgir.

Outros fatores considerados de risco são situações que afetam a autoconfiança do homem como desemprego, aposentadoria, crises financeiras, luto na família, entre outros.

É importante ressaltar que apenas o envelhecimento não constitui uma causa de disfunção erétil.

Diagnóstico e Exames
Buscando ajuda médica
Falhas eventuais de ereção podem acontecer a qualquer homem. Mas quando a ereção não é adequada e isso se repete com freqüência, vale a pena procurar ajuda médica. Lembre-se que os fatores de risco são semelhantes e que o problema circulatório para o pênis pode alertar para outros sistemas do corpo que não andam bem.

Diagnóstico de Disfunção erétil
A impotência sexual tem cura e o primeiro passo é o diagnóstico correto.

Saiba mais: Vídeo: saiba como é feito o diagnóstico da disfunção erétil
Em seguida ele busca identificar possíveis fatores de risco como os citados acima. Por exemplo: se existe hipertensão arterial, ela precisa ser tratada. Quando o problema é o controle da glicose, o médico irá orientar sobre o tratamento.

O próximo passo é tratar o problema em si e hoje existem vários medicamentos para melhorar a ereção.

O diagnóstico da disfunção erétil é eminentemente clínico, ou seja, o médico chega a esta conclusão conversando com o paciente.

Saiba mais: Deixe o preconceito contra a impotência de lado
Ecodoppler peniano
Quando os medicamentos orais não resolvem, os médicos costumam encaminhar o paciente para o especialista, que é o urologista. Ele vai aprofundar a investigação e pode lançar mão de outro recurso usado para o diagnóstico da disfunção erétil: o ecodoppler peniano. Nesse exame é feito um medicamento injetável no pênis e uma ereção é produzida. O método é utilizado para medir o fluxo arterial, observar o comportamento da túnica que reveste os corpos cavernosos e avaliar a resposta erétil obtida.

O exame é feito no consultório médico ou clínicas de radiologia e o medicamento faz efeito em 5 a 10 minutos. O exame com injeção intra cavernosa e Doppler serve para avaliar a gravidade da disfunção erétil e ao mesmo tempo possibilita ao urologista pensar em alternativas terapêuticas como a auto-injeção ou implantes penianos (as famosas próteses).

Tratamento e Cuidados
Tratamento de Disfunção erétil
O tratamento da disfunção erétil começa com a identificação e controle dos fatores de risco. Além disso, o médico hoje costuma prescrever os medicamentos orais chamados inibidores da fosfodiesterase tipo 5. Sildenafila, vardenafila e tadalafila são os mais conhecidos e utilizados.

Saiba mais: Vídeo: saiba como é feito o tratamento da disfunção erétil
Quando a medicação oral usada na dose e da maneira adequada não resolve, existem outras modalidades terapêuticas consideradas de “segunda linha” como bomba de vácuo, injeções de vasodilatadores e na chamada “terceira linha”, as próteses penianas, que são o último recurso.

Um ponto muito importante e nem sempre valorizado consiste em cuidar do relacionamento. Avaliar a parceira e como o casal está conduzindo seus problemas e questões. Em alguns casos, vale o apoio de psicólogos ou outros profissionais para melhorar a relação do casal.

Medicamentos para Disfunção erétil
Os medicamentos mais usados para o tratamento de disfunção erétil são:

Cialis
Viagra
Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula. Evite fazer testes em que ocorra a comparação do desempenho com ou sem medicamento (do tipo: “hoje não tomarei o remédio para ver se estou curado…”).

Convivendo (prognóstico)
Convivendo/ Prognóstico
Como existem várias causas para a disfunção erétil, o prognóstico varia bastante. Sabemos hoje que os casos mais difíceis para tratamento incluem os diabéticos e os pacientes submetidos a prostatectomia radical (cirurgia para tratar o câncer da próstata). Esses são os que não respondem a terapia oral com mais freqüência. Mas eles também podem ser tratados com outros métodos e voltarem a vida sexual ativa.

Disfunção erétil tem cura?
Hoje existe tratamento para qualquer tipo de disfunção erétil. Procure um urologista e adote hábitos de vida saudáveis. Estabeleça um bom relacionamento com o médico e explique detalhadamente seu problema. Não tenha vergonha e confie na orientação médica.

Quando existe empenho do paciente e ele consegue controlar os fatores de risco identificados, como no caso de um homem tabagista, obeso e sedentário que resolve depois do diagnóstico de impotência sexual se exercitar regularmente (tendo visitado antes seu cardiologista que o liberou para prática de exercícios físicos), emagrece e para de fumar, o quadro de disfunção tende não somente a estabilizar mas pode ser revertido.

Leia também: Viagra Natural Anvisa

Prevenção
Prevenir a disfunção erétil significa preservar a boa circulação do sangue e na verdade as orientações são muito semelhantes àquelas fornecidas nos consultórios dos cardiologistas:

Adote hábitos de vida saudáveis
Controle seu peso
Faça exercícios regularmente.
Visite seu médico regularmente e trate com dedicação os chamados fatores de risco:

Se você fuma, pare imediatamente
Se for hipertenso, siga o tratamento à risca e tome o medicamento sempre
Se for diabético, controle as taxas de glicose, seguindo a dieta e usando os medicamentos adequadamente.

6 Medicamentos e 2 Tratamentos para impotência sexual masculina

6 Medicamentos e 2 Tratamentos para impotência sexual masculina

A impotência sexual é um problema muito comum dentre os homens. Estima-se que um em cada dez homens sofre com problema de disfunção erétil em algum momento de sua vida. O importante é você identifica o problema e procurar ajuda para reverter à situação.

Neste artigo iremos falar sobre alguns dos muitos tratamentos e drogas disponíveis para venda no mercado para a impotência.

Índice de Conteúdo [Esconder]

1 Terapia psicossexual para a impotência
2 Tratamentos com Bomba de vácuo para impotência
3 Tratamentos medicação para a impotência
4 O Que Procura?
Terapia psicossexual para a impotência
Estima-se que 15% da causas de impotência sexual masculina seja gerado por problemas psicológicos. Isto pode acontecer com pessoas que sofrem com ansiedade, depressão, falta de auto-estima, etc. Um terapeuta experiente pode ajudá-lo a resolver este problema. Eles olham e trabalham essas dificuldades com você oferecendo possíveis soluções.

Leia também: Big Size funciona

Tratamentos com Bomba de vácuo para impotência
A bomba de vácuo é um cilindro de plástico. Bombas de vácuo é um aparelho que suga o ar a partir do tubo de pressão forçado o sangue a passar rapidamente para o pênis (que simula o que acontece numa ereção). Um anel é então aplicado temporariamente na base do pênis para parar o sangue e sustentar a ereção por mais tempo.

Tratamentos medicação para a impotência

1 –Viagra é um dos medicamentos mais conhecidos e utilizados para a disfunção erétil. Mas você precisa ter desejo sexual para que o Viagra funcione com eficácia.

2 – Terapia transuretral (Muse). Uma pequena bolinha de um medicamento é colocado diretamente na uretra. A uretra é o tubo que vai até o pênis e leva a urina da bexiga e para fora através do pênis. A droga é absorvida pelo tecido eréctil do pénis. Dá uma ereção dentro de cinco a dez minutos.

3 – Cialis. O Cialis é tomado 30 minutos antes da atividade sexual. Cialis é eficaz apenas com a estimulação sexual. Cialis não é um afrodisíaco e não aumenta o desejo sexual.

4 – Levitra. Feita 10 minutos até uma hora antes da atividade sexual, Levitra pode ser eficaz durante até 12 horas. Levitra não é um afrodisíaco. Não aumenta o desejo sexual.

5 – Uprima. Este medicamento é um comprimido tomado debaixo da língua. Uprima se dissolve dentro de cerca de 15 minutos e é eficaz por até duas horas.

6 – Tribulus terrestris. É um estimulante da testosterona endógena. A testosterona o Hormônio responsável pelo aumento ou diminuição da libido (desejo sexual). O tribulus é uma alternativa de tratamento natural para impotência sexual masculina que age aumentando o desejo sexual do individuo, algo que os outros medicamentos citados não fazem.